Artigos


Cenas inéditas no Vaticano; por Alberto Dines

Renúncia, hipocrisia, renovação — palavras-chave de uma semana fadada a entrar na história não apenas da Igreja Católica, também do pensamento ocidental. O ponto alto do pontificado de Joseph Ratzinger não foi sua ascensão como Bento XVI, mas a forma escolhida para retomar a sua condição original e encerrar a sua missão.

Em Abril de 2005 os vaticanistas o classificaram prospectivamente como papa transitório, com um mandato curto, linear, desatentos à sutil gama de elementos espirituais geralmente postos à serviço dos intelectuais alemães. Geist, em seu idioma, é muito mais do que alma, é também moral, refinamento, entendimento superior, transcendência.

Na segunda-feira, a palavra usada para descrever a decisão papal foi renúncia, mais exato seria o substantivo abdicação: o sacerdote Joseph Ratzinger abriu mão do poder num mundo cada vez mais polarizado em busca de poderes, mas não capitulou como ser pensante, sensível, com uma noção muito clara dos deveres humanos.

Os pretextos iniciais de doença e fragilidade ou não foram bem entendido no latim do primeiro comunicado ou foram interpretados na escala de valores simplista da comunicação contemporânea. A verdade é que dois pronunciamentos depois este senhor de 85 anos, alegadamente debilitado, estava em forma.

Na última quinta, durante 45 minutos, naquele que deverá ser o último encontro com o clero da diocese romana, com firmeza  convocou a Igreja para uma “verdadeira renovação”. E ainda teve ânimo para enfocar questões altamente controversas e delicadas, como as distorções da mídia na cobertura do Concílio Vaticano II (1962-1965) e a responsabilidade dos católicos alemães no Holocausto.

O sermão na missa da Quarta-Feira de Cinzas, talvez o último, conteve uma candente denúncia contra a hipocrisia religiosa e foi consagrado por uma ovação dos presentes, de pé, estendida ao longo de vários minutos. Cena raramente vista no Vaticano.

As corajosas opções de Ratzinger acionam naturais remissões históricas e não apenas no tocante a Gregório XII forçado a renunciar há cerca de 600 anos para evitar uma fatal fragmentação da Igreja. Mais recentemente, há apenas 500 anos, outro sacerdote e teólogo alemão, igualmente bem fundamentado, denunciou a hipocrisia  que imperava na Cúria Romana sob a forma de venda de indulgências.

Martinho Lutero foi excomungado pela Igreja, perseguido pelo imperador, resistiu e produziu o maior cisma dentro do cristianismo. Nem tudo o que pregou estava correto, a epilepsia ou a megalomania o distanciaram dos princípios éticos da sua cruzada anti-clerical, mas a sangria do cisma luterano não pode ser desconsiderada mesmo meio milênio depois. A humanidade é a mesma.

Ao clamar contra a hipocrisia e proclamar a necessidade de renovação em seguida à inesperada abdicação,  Joseph Ratzinger exibe surpreendente desenvoltura. Sereno, desafiante, mostra aos vaticanistas que a transição começa agora.

Terminado o pontificado, pode começar um apostolado. Esta também é uma situação inédita nos anais do Vaticano.///